Monday, October 25, 2010

Rumo certo





Tentou abandonar aquela mulher como se ela fosse uma lata que restou da bebida consumida.Ela chorou derramou prantos e lágrimas tão quentes que a morte quase apertou seu coração.Mas ela clamou aos santos e anjos guardiães dos derrotados e eles a ouviram e cuidaram de amenizar sua dor.Não é assim que um amor de tantas temporadas termina.Cruel palavra ato insano porque a escolheste se não era sua verdadeira eleita?A vida deu-lhe provas de que seria duro viver sem ela.Ela te alertava te protegia te rumava e te dava tanto amor.Que nem dá pra acreditar que consigas dormir sem os braços seguros dela.

Monday, October 18, 2010

Bravo Guerreiro

   Guarde seus medos para si mesmo,
mas compartilhe a sua coragem com os outros.
     Robert Louis

Não sou um insensível cavalheiro que vive pelas trevas da vida aguardando o momento exato de ferir mortalmente o seu inimigo.Sou guardião seguro que embainha a espada com galhardia e firmeza.E entre as matas enigmáticas adentro destemido.Porque a morte já conheci bem de perto.E a vida destroço e desvendo nas profundezas do meu ser.

Sunday, October 03, 2010

O lado B da vida



Talvez imaginasse que essa festa nunca teria fim.Que tudo correria as mil maravilhas até que um portal se abrisse e todos os sonhos que ainda não tivessem se realizados o seriam.Portas e cortinas abertas.O que mais se espera de um mundo de fantasias? Mal pôde acreditar quando tudo começou a ruir.A vida não era recheada de chocolates?Seu amor não seria pra sempre?Seu mundo começou a abrir-se nos seus pés.O lado B da vida acontecia bem nos seus olhos.Dores tremores pesadelos e uma náusea que só passava com comprimidos.O espelho ficou estranho a vida ficou distante.A morte rondava como aflitiva guardiã.Guardando  onde e quem sabe mesmo o  por quê?Aquela doce melodia de Shakira que alegrara seus dias estava a cada da mais distante.

Tuesday, August 24, 2010

Apaziguar



Diziam que a porta sempre estava fechada quando a mente estava atrelada a algo negativo.E ela passou a acreditar ferrenhamente nessa afirmação.Sua vida deu uma guinada e uma dor a acompanhava desde que perdeu mais um amor.Seria uma espécie de sina?Suas amigas estavam rodeadas de homens zelosos e presentes.Por que a vida misteriosamente lhe aprontava essas ciladas?Parte por parte das suas desventuras passavam constantemente na sua cabeça.Vozes e gritos e uma mansidão que não quer se instalar.Apaziguar-se com a vida.Era necessário esse pacto.Para que todo o resto não escorresse por suas mãos e a atormentasse impiedosamente.

Wednesday, July 21, 2010

Sobrevivência



Tanto fez que acabou por se despir dos sonhos.Jogou velhas fotografias fora e amparou-se numa espécie de ferramenta fundamental pra sobrevivência.Não queria mais  se atirar no vazio dos encontros solitários.Deveria cumprir a sentença:não contaminar-se por antigas recordações.Era uma pena imposta pela vida.De agora em diante buscaria uma nova forma de viver.Abraçando intensamente o que acontece hoje.

Sunday, July 11, 2010

Vida em guerra

É estranho ver a dor assim como um ferro que fere a quem nunca feriu.Por perpertuar-se bem junto aos inocentes ela clama por súplicas.Então supliquemos.Não há outro remédio senão engolir todo esse amargor da realidade.Pedaço por pedaço o corpo se desfaz.A vaidade não faz mais morada.E o que era doce vira amargo.
Prisão sem portas.A vida muitas vezes nos cobra decisões.Somos fracos ou fortes ? Guerreiros que lutam sem conhecer o inimigo.No escuro da incerteza: há de sobriver quem não queimou toda a sua munição.


Sunday, June 27, 2010

Conselho bom



Liberdade assim nem se fala.Porque se espalha sem rumo e depois não sabe voltar.Pode transformar-se em prisão.Eu era assim como você.Moço fino e trabalhador que esmerou-se no trabalho e desencantou-se com tudo.Mas encontrei um porto seguro que fez  romper com os muros.E hoje vivo sem direção.Ora pra um lado ora para outro.Mas ora veja ainda tenho sangue correndo nas veias.E profeticamente te digo.Não segue os meus passos mas pode repensar minhas palavras.Conselho quase sempre não se paga mas a dívida pode aumentar.Se meu conselho te bem servir sirva-se dele e recomece porque somente o recomeçar faz com que as historias desse mundão valham a pena de verdade.

Friday, June 18, 2010

Apenas lembranças




Por tanto tempo essa paisagem era a única referência que guardava.Um riacho correndo e adentrando pela floresta.E logo na frente havia um córrego que desaguava e um lugar qualquer.Parece mesmo coisa de mulherzinha que prefere as datas festivas,marca encontros na luz do luar somente para tentar guardar para sempre.Paisagens passam e acabam por fundirem-se com outros tantos pensamentos.Mas do instante fotografado lembro do cheiro.Marca que ninguém pode apagar do olfativo desejo de ser aquela que ficou.

Tuesday, June 01, 2010

Tempo e brilho

"É assim que imagino Deus, como um fino fio de nylon, invísivel, que procura minhas contas no fundo do mar e as devolve a mim como um colar"
Rubem Alves

Por que os retratos estão perdendo a nitidez e o brilho e mesmo assim ela pensa que dança como outrora?
Seu corpo não tem nem um oitavo da flexibilidade,mas rezaria mil terços para tê-lo novamente.Fluindo livre liberto do peso do tempo.Sua canção sempre tocava nas horas mais sensíveis do dia.Naqueles momentos quando todos dormiam e ela se encontrava perdida entre o espelho e o fechar dos seus olhos.E então ela trancava-se no quarto e tocava em seu piano a mesma música.Seus dedos deslizavam harmoniosamente pelas teclas.Verdades e mentiras viam-lhe nesses momentos raros de compaixão.O resto do dia ela procurava pensar no mundo que girava rapidamente a sua volta.Esquecendo a amarga realidade.Envelheceu muito mais do que as fotografias.Perdeu o brilho e a nitidez que cultivava em seus sonhos de menina.

Saturday, May 15, 2010

Sem cor




Fechou a cortina e saiu.Nem olhou pra trás.Deixou apenas algumas roupas e fotografias,inúmeras fotografias em preto e branco. A porta estava entreaberta como de costume aos que partem sem querer chamar atenção. Entre as roupas,algumas ainda guardavam o seu cheiro e um certo amassado da mala.Muitas vezes ensaiou essa partida,mas voltou atrás.Porque ela chorou e abraçou o seu corpo como se fosse sua dona.E num gesto inexpressivo de tanto faz como tanto fez:permaneceu.Nunca nada o fez feliz.Nem nas cenas mais surpreendentes ele mantinha-se frio e até apático.O brilho da vida não o acompanhava.O colorido do amor e das emoções que no instante primeiro aconteceram não ficaram nem ao menos nas fotografias.

Saturday, April 24, 2010

Apego

Jogava fora a metade dos guardados e a outra metade guardava novamente.Essa arrumação era interminável.
Por que não conseguia desfazer-se de alguém que a magoava tanto? Talvez conservava ainda o gosto delicioso de quando acreditava de olhos fechados .Parece prisão sem porta,cadeado largado em cima da mesa,mas o medo de libertar-se era tão real.Dóia como a agonia precedente ao ato insano.Marcas,cicatrizes,zelos do passado que insistem em ficar.Permacer seria então para ela uma espécie de limite indevido,ou ausência dele.Estabeleceu-se naquele relacionamento uma comunhão carnal que não dava-lhe mais prazer.Uma insinuante coragem aproxima-se de quando em vez dela.Feito estranha madrasta com o remédio amargo.Não queria tomar,mas precisava.Qual seria a dosagem? Homeopaticamente não resolveria.Teria que ser de uma só tacada.